Brusque, 17 de novembro de 2017   |   17:11

Ostras e mariscos

A Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca mantém a interdição das áreas de cultivos de ostras, vieiras, mexilhões e berbigões das localidades de Praia Alegre, Armação do Itapocorói, Canto da Praia, Zimbros e Canto Grande – nos municípios de Penha, Balneário Camboriú e Bombinhas devido à presença de toxina paralisante. Nessas áreas está proibida retirada, comercialização e o consumo destes animais e seus produtos, inclusive nos costões e beira de praia. O restante do Litoral catarinense está totalmente livre da toxina e está liberado o consumo e coleta de ostras e mariscos. 

Desde o dia 19 de outubro, a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) monitora a presença de toxina paralisante (PSP) nos cultivos catarinenses. A princípio todo o Litoral foi interditado de forma preventiva. Desde então, acontecem liberações das áreas não contaminadas, restando apenas Penha, Balneário Camboriú e Bombinhas. 

A Cidasc continua com as coletas para monitoramento das áreas de produção de ostras, vieiras, mexilhões e berbigões. Os resultados dessas análises definirão a liberação ou a manutenção da interdição das áreas afetadas. 

Santa Catarina é o único Estado do país que realiza o monitoramento permanente das áreas de cultivo através do Programa Estadual de Controle Higiênico Sanitário de Moluscos. Esse programa existe em todos os países que possuem uma produção expressiva de moluscos, e é um dos procedimentos de gestão e controle sanitário da cadeia produtiva.

Repórter: Secom/Governo de SC
Imagem: Divulgação / Epgari


Veja também