Brusque, 22 de maio de 2018   |   16:05

Unifebe

O Núcleo de Inteligência Artificial e Sistemas Inteligentes (NIASI) da UNIFEBE teve mais um artigo científico aprovado em Conferência Internacional. Desta vez, um trabalho inédito na literatura mundial foi aceito na 22ª International Conference on Knowledge-Based and Intelligent Information & Engineering Systems, considerada uma das mais importantes do mundo na área de Engenharia do Conhecimento e Sistemas Inteligentes.

O título do artigo “An approach to evaluate adherence to the theme and the argumentative structure of essays”, ou “Uma abordagem para avaliar a aderência ao tema e a estrutura argumentativa de redações”, em português, foi produzido pelo pesquisador e professor Aluizio Haendchen Filho.

A abordagem utiliza técnicas de Inteligência Artificial, aprendizado de máquina e processamento de linguagem natural para substituir a correção humana de redações. O processamento de linguagem natural é a base da computação cognitiva, na qual o objetivo é fazer com que o computador consiga entender o sentido de um texto.

Haendchen Filho, que é coordenador do NIASI, destaca que o tema do artigo é inédito na literatura mundial, porque não existem trabalhos que utilizem aprendizado de máquina para avaliar se uma redação atende aos requisitos de apresentar uma estrutura de argumentação para sustentar uma tese, verificando, ao mesmo tempo, se é ou não aderente ao tema proposto.

Conforme ele, hoje, o Google e empresas de grande porte como a IBM, Microsoft, entre outras, investem maciçamente na computação cognitiva.

— O objetivo é fazer com que o computador entenda o significado de textos. O robô Watson, da IBM, é hoje o melhor exemplo do que a computação cognitiva pode fazer em benefício da humanidade. Consegue descobrir alternativas de sucesso para tratamento e cura do câncer, por exemplo, baseado na coleta de informações sobre casos de sucesso espalhadas pela web —, explica Haendchen Filho.

O professor ainda enfatiza que o trabalho no NIASI atua principalmente na linha da computação cognitiva e aprendizado de máquina.

— Essa conquista faz parte de uma suíte de produtos que estamos desenvolvendo, utilizando Inteligência Artificial. Atualmente, 80% das informações nas empresas não são estruturadas, isto é, não estão em banco de dados, mas sim em documentos, redes sociais, e na internet em geral. Saber extrair conhecimento dessas informações para planejamento e tomada de decisão são fundamentais para a inteligência competitiva das empresas — salienta o pesquisador.

Pesquisa Aplicada

Em 2018, oito artigos do NIASI foram aceitos, quatro deles em conferências internacionais — consideradas as mais relevantes do mundo em suas áreas. Todas as publicações estão relacionadas com Pesquisa Aplicada, isto significa que são resultantes do trabalho de desenvolvimento de produtos inteligentes produzidos no NIASI. Hoje, o Núcleo está com dois registros de patente em andamento e tem outros a serem encaminhados.

— Pretendemos ampliar parcerias para aplicar todas essas técnicas e conhecimentos em benefício das empresas. Nosso trabalho é desafiador e buscamos adotar o estilo americano, onde as universidades trabalham em parceria com as empresas para auxiliar na resolução de problemas e buscar soluções inovadoras — conclui Haendchen Filho.

Repórter: Assessoria de Imprensa Unifebe
Imagem: Assessoria de Imprensa Unifebe


Veja também