ACÚSTICA
Novo projeto pode solucionar problema do som na Igreja São Luís Gonzaga
Após muitos estudos e medições, a solução sugerida à paróquia vem da empresa FZ Áudio
por Site da Paróquia São Luís Gonzaga 08/09/2019 às 09:06 Atualizado em 08/09/2019 às 13:03

Fiéis que participam das celebrações na Igreja Matriz São Luís Gonzaga tem percebido algo diferente no sistema de som nos últimos dias. O desafio de oferecer uma melhor acústica foi retomado em agosto deste ano e a expectativa é de avançar significativamente na qualidade de distribuição sonora.

Após muitos estudos e medições, a solução sugerida à paróquia vem da empresa FZ Áudio, sediada em São Paulo, com experiência de 25 anos no mercado de instalações de áudio em igrejas, teatros e auditórios. O projeto da Igreja Matriz é assinado pelo engenheiro Fábio Zacarias, juntamente com parceiros alemães e italianos. O investimento, caso seja concretizado e com resultados reconhecidos pela comunidade, será de R$ 200 mil.

Por trinta dias, a Igreja Matriz São Luís Gonzaga passa por um período de teste. Frequentemente, observa-se a forma como o som está sendo distribuído e se o público tem percebido uma melhora no sistema ou não, através de pesquisa de opinião. Em todas as missas os celebrantes têm perguntados aos fiéis se eles notaram melhoras e se as falas ao microfone estão mais fáceis de serem compreendidas.

De acordo com o pároco, padre Diomar Romaniv, o som da Igreja Matriz sempre foi uma dificuldade de comunicação. E, apesar de investimentos anteriores, nenhum deles se confirmou como satisfatório ao longo prazo. “Por isso, diante das novas tecnologias e possibilidades que nos foram apresentadas e estudos feitos, optamos por esse sistema da empresa FZ, que está em teste há três semanas, com resultado bem avaliado e com algumas observações que estamos tentando organizar”, afirma.

Para a igreja, a comunicação é fundamental. Pe. Diomar relata que muitas pessoas já não participam da missa na Matriz justamente por conta da dificuldade compreensão ao que e é dito no microfone. “A palavra de Deus é a boa notícia e deve ser bem comunicada. Caso este estudo seja aprovado estamos dispostos a fazer o investimento, com a colaboração e generosidade da comunidade”, pontua o pároco.

Neste momento, a Paróquia São Luís Gonzaga faz o convite para que os fiéis participem da missa e estejam atentos à qualidade do som. Quem deseja contribuir com a melhoria, pode entrar em contato com a Secretaria Paroquial. 

Qualidade e investimento

De acordo com o coordenador de música da paróquia, Deivid Dognini, buscou-se, nos últimos três meses, alternativas com várias empresas que pudessem atender essa demanda da Matriz. “Temos uma igreja de pedra e pedra não absorve o som. Então, temos uma grande reverberação, bastante eco”, explica. O projeto da empresa FZ Áudio causou boas impressões à paróquia, já que é bastante arrojado e atende algumas demandas. “Adquirimos o som com opção de devolução, por um teste de trinta dias, sem custo algum para a Paróquia por enquanto. Só vai ter custo se, de fato, for aprovado, aí será adquirido”, confirma. 

Até o momento, conforme Deivid, a melhoria tem provocado um efeito positivo. “A gente tem escutado elogios. Não 100%, porque é difícil agradar a todos, mas em níveis técnicos e nas avaliações que temos feito, atendemos 99% do que queremos para acertar o som”, enfatiza.

O investimento é alto, conforme detalha Dognini. “Mas, se for pensar pela proporção da igreja, pelo problema que se arrasta há anos sem solução, é uma cifra justificável e até não tão alta, caso venha resolver esta questão. A Paróquia busca, também, resgatar os fiéis da própria Matriz, que, com o tempo, deixaram de participar da missa aqui. Temos uma igreja linda, mas com um problema antigo de distribuição de som”, lamenta.

Agora, com a nova cobertura, são menos caixas e mais interação. É como se quem está falando ao microfone estivesse bem próximo de quem o escuta. “A gente tem um material mais forte em questões de som e conseguimos trabalhar com um volume mais suave, o que evita o eco dentro da Igreja”, diz o coordenador.

Conforme a paróquia, foi dada abertura para várias empresas sugerirem mudanças no projeto de som. O retorno mais bem elaborado, conciso e tecnológico veio da FZ, incluindo a possibilidade de um teste gratuito, com a duração de um mês. 

Projeto desafiador

O estudo desenvolvido pela empresa FZ foi apresentado pelo próprio engenheiro, Fábio Zacarias, à Paróquia. Agora, vem sendo executado em fase de testes. Para Fábio, iniciar o projeto da Matriz foi desafiador. “As condições acústicas são extremamente deficientes. Temos um tempo de reverberação de nove segundos: significa que qualquer coisa que é falada demora nove segundos para deixar de reverberar no ambiente”, conta.

Etapas

Em busca de solução para o problema, a empresa trabalha com três frentes principais: a primeira medida adotada foi a montagem de uma maquete eletrônica para estudar um número imenso de combinações de caixas acústicas em pontos estratégicos da igreja. Essa maquete foi estudada por mais dois especialistas: um de Salvador (empresa Áudio) e outro da Alemanha (empresa AFMG). Com a aprovação para o início do projeto e as instalações, o segundo passo foi a questão da mesa digital. Hoje, todos os ajustes, níveis e equalizações ficam gravados de forma personalizada para cada sacerdote. “Cada um dos padres tem um ajuste preciso que foi feito durante duas semanas por um técnico”, explica Fábio.

Por fim, a empresa apresentou um trabalho de sonorização do altar para que os padres pudessem se ouvir. Esta terceira etapa do projeto já foi finalizada e teve um resultado bastante positivo, com aprovação da maioria dos fiéis e dos padres. 

Altura que influencia

A altura é um dos fatores que mais influenciam a má distribuição e compreensão do som da igreja, resultando em eco no interior do templo. Júlio Kohn é técnico da Matriz São Luís Gonzaga há cerca de quatro anos e já conhece a realidade da igreja. Ele presta assistência de regulagem, sempre tentando oferecer o melhor serviço baseado no que a estrutura pode oferecer. A proposta da empresa FZ já havia sido feita anos atrás, inclusive com a execução de alguns testes, mas por questões financeiras não foi aprovado. “Tivemos uma melhora muito grande agora. Foi adquirida uma mesa digital diferenciada e estamos no processo de gravar cenas individuais para cada padre. Por isso estou aqui, para acompanhar as missas e dar esse suporte técnico durante esse mês de avaliação”, explica.

As melhorias no sistema de som da igreja já puderam ser observadas logo na primeira semana que o serviço iniciou. Júlio chega geralmente uma hora antes de cada missa, faz a preparação, checa o sistema e depois acompanha, de forma minuciosa e com ouvidos bem atentos, toda a celebração. 

Ao ser detectado um problema de reverberação, o processo de solução se dá em torno do tratamento acústico com um melhor posicionamento, para que se possa ter melhor inteligibilidade do áudio junto à reverberação com o posicionamento de caixas. “É o desenho do alinhamento do sistema e de posicionamento do sistema. Foi isso que foi trabalhado aqui na Paróquia: o melhor posicionamento das caixas para ter uma inteligibilidade maior”, diz.

Assuntos: Comunidade
Envie seu comentário sobre esta notícia
Seu nome
Seu telefone
Seu bairro
Sua cidade
Escreva sua mensagem pressione shift + enter para adicionar linha
Todos os campos são obrigatórios
Recomendados