Escolas do campo
​Profissionais da Secretaria da Educação de Itajaí fazem visita a Brusque
Ponto de parada foi na escola do bairro Cristalina, onde toda a comitiva itajaiense se mostrou impressionada com os projetos desenvolvidos na escola Edith Krieger Zabel
por Secom - Prefeitura de Brusque 08/05/2019 às 17:08 Atualizado em 08/05/2019 às 17:21

Profissionais da Secretaria da Educação de Itajaí estiveram em Brusque na última semana para conhecer os projetos modelos das escolas de campo na cidade. As visitas foram realizadas nas escolas Edith Krieger Zabel, na Cristalina, Adelina Zierke, Ribeirão do Mafra, e Edith Gama Ramos, no Cedro Grande.

O primeiro ponto de parada foi na escola do bairro Cristalina, onde toda a comitiva itajaiense se mostrou impressionada com os projetos desenvolvidos na escola Edith Krieger Zabel. No local, eles foram recebidos pela diretora Elaine Petermann, que é filha e neta de agricultores e teve a oportunidade de apresentar vários projetos desenvolvidos pela escola em parceria com a comunidade. “Receber a visita de uma outra rede municipal de ensino é muito significativa e gratificante. Para nós, como escola do campo, serve como inspiração de todo trabalho que fazemos voltado à natureza e questão ambiental. Isso é maravilhoso”, defende Eliane.

Ela contou aos convidados seu amor pela escola e o diferencial da unidade de ensino, que se destaca pela quantidade de projetos. No local há um trabalho especial de criação de abelhas sem ferrão, pomar, além de hortas, orquidário, e principalmente, reaproveitamento de materiais, que dão uma arquitetura única à escola. “Tudo que a gente vê reutiliza. Por vivermos numa sociedade tão capitalista, às vezes a gente acaba não valorizando o próprio lixo que pode virar luxo”, comenta Elaine.

Os materiais reciclados são usados para fazer desde brinquedos a móveis que são utilizados no dia a dia das crianças. “Aqui, tudo serve de inspiração, diz Elaine. "Queremos resgatar aquela infância tivemos que hoje se perdeu, de jogar quilica, subir barranco, de cantar e sentar embaixo de uma árvore, ouvir histórias. Ter um pomar na escola para colher a própria fruta e depois querer saborear, a horta para produzir o próprio alimento”, explica.

Segundo ela, o senso de pertencimento da comunidade é o que move a escola. “É um trabalho realizado com muita felicidade, mas não somente com a equipe gestora, mas de certa forma acabamos transmitindo isso para os pais. Todos se sentem donos da escola e por isso ela se torna referência, pois eles sempre estão por perto para dar o suporte quando precisamos de alguma coisa”, explica.

A participação comunitária também é outro ponto chave para o sucesso das outras escolas do campo. Na Adelina Zirke, a diretora Neusa Sapeli Teixeira teve a oportunidade de mostrar aos educadores o projeto de hidroponia, técnica de cultivar plantas sem uso do solo. Essa é a única escola de Brusque com a iniciativa, mas a coordenadora da secretaria da Educação de Brusque, Stela Maris Maccarini, que coordena as ações realizadas pelas escolas de campo, diz que nos próximos meses outras unidades de ensino também terão o projeto. Na Adelina Zirke, as crianças também acompanham muitas atividades na prática, como o processo de metamorfose da borboleta e do sapo, bem como projetos de sementeira e composteira, e até mesmo a criação de alguns animais, como porco, galinha e coelho; todas as iniciativas, também, com a participação efetiva dos pais. “Tudo que a gente quer, a gente consegue. A comunidade ajuda muito e não precisamos gastar um centavo”, conta Neusa.

A última escola visitada pelos profissionais da Secretaria da Educação de Itajaí foi a Edith Gama Ramos, no bairro Cedro Grande. Considerada uma escola modelo, a Edith Gama Ramos é dirigida pela diretora Maria Aparecida Vanini Machado e se destaca pela quantidade de projetos ambientais que inclusive chamaram atenção dos alemães que estiveram recentemente em Brusque representando a comitiva de Karlsruhe, no intercâmbio cultural Brasil Alemanha, com destaque para a sementeira e o orquidário.

Avaliação

O secretário adjunto da Secretaria da Educação de Itajaí, Julio da Silva, avalia a experiência de conhecer os projetos desenvolvidos em Brusque como muito satisfatória. Ele comenta que o município vizinho tem apenas uma escola do campo, com 258 alunos, mas ainda num molde muito parecido com a educação do Ensino Fundamental. “Queremos implantar projetos que venham ao encontro da escola de campo, e aqui em Brusque conhecemos três escolas com projetos muito interessantes”, diz ele.

O secretário ressalta que não ficou impressionando com um projeto em específico, mas sobretudo pelo envolvimento comunitário para preservação e manutenção das escolas de campo. "Achamos fantástico o fato de a comunidade pode ver, participar, e contribuir. O que levamos dessa tarde maravilhosa foi o envolvimento e empenho da equipe gestora das unidades, isso foi um dos pontos fortes que acreditamos e queremos levar parta Itajaí. A gente precisa ter esse envolvimento para que de fato a escola de campo aconteça”, ressalta.

Envie seu comentário sobre esta notícia
Seu nome
Seu telefone
Seu bairro
Sua cidade
Escreva sua mensagem pressione shift + enter para adicionar linha
Todos os campos são obrigatórios
Recomendados