COVID-19
ABM: Infectologista avalia importância de vacinação em crianças
Em Brusque, os casos de crianças infectadas são muito baixos, mas o infectologista Ricardo Freitas reforça a necessidade de vacinação para evitar mudanças nesse cenário
por Assessoria de Imprensa ABM 14/01/2022 às 11:10
Imagem: Divulgação

Desde o início da pandemia, o Brasil soma 1.449 mortes de meninos e meninas de até 11 anos em decorrência do novo coronavírus e mais de 2.400 casos da Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) associada à Covid-19, conjunto de sintomas graves que podem levar à morte. 

Em Brusque, os casos de crianças infectadas, são muito baixos, mas o médico infectologista e membro da Associação Brusquense de Medicina – ABM, Ricardo Freitas, reforça a necessidade de vacinação para evitar que este cenário mude para pior.

“É mais uma tentativa de diminuir essas ondas de casos de COVID e também porque logo começam as aulas presenciais novamente e a gente gostaria que tivesse sossego nas escolas e também para os pais dessas crianças, no que tange a segurança, pois as vacinas são um fator protetor em relação a doença e a gravidade dela”, explica o médico. 

O infectologista lembra ainda que, desde o início da pandemia tem se percebido que as crianças não adoecem como os adultos as crianças, mas podem ser um vetor de transmissão para pessoas adultas, “especialmente para aquelas pessoas, que são consideradas de risco para a doença, que são os idosos, os imunodeprimidos  e pessoas que tem comorbidades. Então é mais uma tentativa  no intuito de frear ou mesmo tentar acabar com a pandemia”.

SEM CONTRAINDICAÇÃO 

Segundo o infectologista da ABM, Ricardo Freitas, neste primeiro momento não há nenhuma contra indicação absoluta para vacina em crianças, então todas as crianças podem ser vacinadas. 

“A gente gostaria que as crianças, especialmente aquelas que são consideradas de risco dentro da faixa etária, que são aquelas que possuem alguma doença crônica ou alguma síndrome, que seriam passíveis de uma evolução pior do COVID, fossem logo vacinadas, pois para elas a recomendação é maior. As outras crianças, a gente recomenda, mas deixa a critério dos pais, pois não é uma vacina obrigatória no Brasil. Importante: a recomendação maior é para crianças com comorbidades, mas dentro do possível, esperamos que todas possam se vacinar para que a gente possa sair de uma vez por todas dessa pandemia”, solicita o médico aos pais ou responsáveis.

De acordo com o médico, que também atua junto a Secretaria Municipal de Saúde de Brusque, a cidade aguarda informações do Governo do Estado para divulgar a data de início da vacinação em crianças. Conforme a quantidade de vacinas que o município receber, será ainda anunciado se os pais deverão agendar ou levar os filhos diretamente em um posto de vacinação que será determinado.

Assuntos: Saúde
Envie seu comentário sobre esta notícia
Seu nome
Seu telefone
Seu bairro
Sua cidade
Escreva sua mensagem pressione shift + enter para adicionar linha
Todos os campos são obrigatórios
Recomendados