LUTO
Arquiteto da Matriz de Brusque, Gottfried Böhm falece na Alemanha
Gottfried Böhm recebeu o Prêmio Pritzker, o Nobel da arquitetura, no ano de 1986. Aquiteto faleceu na Alemanha, na última terça-feira (9), aos 101 anos.
por Historiador Paulo Vendelino Kons 11/06/2021 às 12:43 Atualizado em 11/06/2021 às 15:08
Imagem: Ilustrativa

No mês de maio de 1988, Brusque recebeu a última visita do arquiteto Böhm. Esteve conosco por vários dias. O pároco, padre Nelson Tachini, scj, deu-lhe todas as atenções. Do novo diálogo sobre o acabamento e os melhoramentos do templo, foram incumbidos os padres dehonianos  Valberto Dirksen e Dorvalino Eloy Koch. Acompanhou-os o engenheiro Orlando Schaefer, do Conselho Pastoral.

Gottfried Böhm recebeu o Prêmio Pritzker, o Nobel da arquitetura, no ano de 1986. Seu pai, Dominikus Böhm e seu avô Alois Böhm foram arquitetos, assim como três de seus filhos, entre eles, Peter Böhm. Poucos sabem que ele construiu duas obras no Brasil, em Brusque e Blumenau 

BRUSQUE 

A Igreja Matriz São Luís Gonzaga de Brusque, apresenta uma arquitetura de destaque na paisagem da cidade, com conceito semelhante a Catedral São Paulo Apóstolo, na vizinha Blumenau. Os dois projetos foram criados no escritório de arquitetura da Alemanha, de uma família de arquitetos onde trabalhavam Dominikus Böhm, pai de Gottfried Böhm, autor do projeto da Igreja de Brusque.

Dominikus Böhm foi referência na Europa como arquiteto de projetos de igrejas, construindo a primeira nos anos de 1910. Sob a indicação do Papa Pio XI, foi apresentado à Ordem Franciscana de Blumenau para fazer o projeto da nova igreja da cidade, que não chegou a ver concluída – faleceu antes de sua inauguração, em 1954. Seu filho deu sequência ao trabalho e, ainda, foi convidado para fazer o projeto da igreja de Brusque, em 1953.  É impossível falar da obra de Brusque sem falar dos dois arquitetos Böhm, pai e filho.

OFFENBACH – HESSEN

Gottfried Böhm nasceu na cidade de Offenbach – Hessen no dia 23 de janeiro de 1920.  Além de seu pai Dominikus Böhm, também seu avô Alois Böhm foi arquiteto. Formou-se arquiteto em 1947 e começou a trabalhar no escritório de seu pai. Em 1951, viajou para Nova York, onde trabalhou durante seis meses no escritório do arquiteto Caetano Baumann e depois, continuou a trabalhar no escritório de arquitetura da família.

Foi considerado expressionista e pós-bauhaus, apesar de preferir se definir como contribuinte para a transição entre o antigo e o novo. Denominava-se o arquiteto que cria “conexões” entre o passado e o futuro, entre o mundo das ideias e o mundo físico, entre os edifícios e seu entorno urbano, características presentes na Igreja Matriz de Brusque.

IGREJA MATRIZ SÃO LUÍS GONZAGA

A igreja projetada por Gottfried Böhm, em Brusque, foi o terceiro templo a ocupar o terreno de topografia acidentada provido de um desnível de mais de 20 metros. Após a visita ao local, em 1953, o projeto foi desenvolvido na Alemanha. Em uma entrevista, o arquiteto lamentou não ter podido acompanhar a execução. “É muito complicado fazer algo bem feito quando não se faz o acompanhamento frequente, como aconteceu em Brusque, e infelizmente nem tudo ficou como deveria ter sido. No entanto, ela também possui uma situação privilegiada com sua imponente escadaria”. Gottfried Böhm: (NOLL,2014).

Para locar a igreja no terreno, foi necessário fazer uma terraplanagem e aterro, criando um platô. A pedra fundamental foi lançada em 1955 com uma grande festa popular, e, em 1962, iniciaram as celebrações das missas em seu espaço.

O volume da igreja projetada cobriu as escadarias de acesso, criando um monumental portal. As cores escolhidas e adotadas criaram uma monocromia que reporta à arquitetura moderna. São cores com origem nos materiais usados e elementos que compõem a arquitetura como piso, aberturas, fechamento e teto. O tom cinza surgiu pelo uso dos blocos de granito cinza extraídos da região.

Enquanto o espaço interno da igreja reporta a uma “caverna”, negando o externo através das fechadas e grossas paredes de pedras quase desprovidas de aberturas, seu teto recebe um “rendilhado” que permite a entrada da luz por meio de panos de vidro, tornando-a indireta, compondo com uma fina capa de concreto que “movimenta” em curvas.

EXPRESSIONISMO ALEMÃO

As obras de  Dominikus e Gottfried são volumes resultantes de composições simples e proporcionais a partir do uso de pedras, tijolos e concreto armado, apresentados em seu estado aparente. O resultado espacial e arquitetônico interage com o terreno e com o entorno imediato, aproximando os arquitetos do expressionismo alemão. A produção de Dominikus entre os anos de 1920 e 1930 fez com que seu nome estivesse entre os principais expressionistas desse período, na Alemanha, berço de inúmeros nomes relevante da arquitetura moderna mundial.

As composições expressionistas também são caracterizadas pela presença de materiais rústicos sob o efeito da luz, exaltando uma certa dramacidade. Gottfried segue a linguagem expressionista, contudo, este atentará a experimentações formais mais intensas – dotando sua obra com características também da corrente brutalista – visíveis na obra de Brusque e na apropriação da topografia do terreno pela arquitetura.  Além do uso do efeito da luz na arquitetura, o brutalismo faz uso da topografia como um elemento que contribui na composição final, constituindo simultaneamente arquitetura e paisagem.

Gottfried, através da topografia do terreno, materializou a forma das escadarias e, também, induziu a formação do átrio de entrada com o grandíssimo pé direito. O interior da igreja foi sobriamente decorado e sem acabamentos característicos nos tradicionais templos religiosos. São superfícies de fechamentos feitos de pedras cinzas e concreto aparente – compondo com a presença dos cobogós que lembram escamas de peixes numa referência aos símbolos do cristianismo. Além desse elemento, os vitrais também são outros símbolos do cristianismo como peixe, uva, cruz e o ramo de trigo.

Nas paredes adjacentes ao altar, o pano de vitrais se estende até o chão, iluminando esta parte interior da igreja com maior intensidade.

CARDEAL WOELKI

O cardeal Rainer Maria Woelki, arcebispo metropolitano de Colônia, enlutado, assim se pronunciou, após a morte do arquiteto Gottfried Böhm: 

“É com profundo pesar que comemoramos o defunto que, com sua arquitetura e personalidade, marcou a construção contemporânea da igreja na Arquidiocese de Colônia durante muitas décadas. Ele fez construir obras que nos convidam a ser igreja viva no mundo de hoje. Muito além da nossa diocese, Gottfried Böhm, com suas excelentes arquiteturas, determinou a expressão do nosso tempo. Na firme confiança e fé na ressurreição de Cristo, estou convencido de que agora em Deus ele encontrou sua consumação.”

*Historiador Paulo Vendelino Kons

Fonte consultada: Arquiteta Angelina Wittmann

Assuntos: Comunidade
Envie seu comentário sobre esta notícia
Seu nome
Seu telefone
Seu bairro
Sua cidade
Escreva sua mensagem pressione shift + enter para adicionar linha
Todos os campos são obrigatórios
Recomendados