Prefeitura de Brusque
Casos importados de Dengue em Brusque já chegam a oito
Aumento dos focos do mosquito da Aedes Aegypti preocupam autoridades epidemiológicas da cidade
por Secom - Prefeitura de Brusque 13/05/2019 às 15:36 Atualizado em 13/05/2019 às 16:32

A Prefeitura de Brusque, por meio do Programa de Endemias da Secretaria de Saúde, informa que já são oito os casos confirmados de Dengue no município, todos eles considerados “importados”, ou seja, de pessoas que estiveram em cidades e estados onde há maior incidência de infestação de focos do mosquito Aedes Aegypti. Desde o início do ano, 35 casos suspeitos foram registrados, e dois ainda estão em análises por parte do Laboratório Central de Santa Catarina (Lacen).

Em relação a Febre Chikungunya foi um caso registrado, onde o paciente provavelmente adquiriu a doença no Rio de Janeiro. Sete pacientes suspeitos apresentaram sintomas da doença, e quatro ainda aguardam a chegada dos exames. Os demais já foram descartados. Não há registro de caso de Zica Vírus. 

O Secretário de Saúde, Humberto Martins Fornari, lembra que o Estado de Santa Catarina já está com mais de 400 casos da doença, e mesmo não tendo nenhum autóctone (contraído dentro do município), a cidade precisa ficar alerta e em vigilância no combate ao mosquito transmissor. “Brusque ainda pertence aquele conjunto de cidades consideradas de baixo risco para a contaminação da doença, mas o que nos preocupa é o aumento no número de larvas”, analisa o Secretário.

Desde o início do ano foi registrado acréscimo no número de focos do mosquito Aedes Aegypti, que transmite as três doenças. Somente este ano foram localizados 277 focos até o dia 9 de maio. No mesmo período do ano passado, o número era de 105. Os bairros com os maiores índices são: Santa Rita (66), Santa Terezinha (57), Centro I (44) e Nova Brasília (24). 

Prevenção

• Deixe os tanques utilizados para armazenar água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;

• Plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água.

• Trate a água da piscina com cloro e limpe-a uma vez por semana;

• Mantenha ralos fechados e desentupidos;

• Lave com escova os potes de comida e de água dos animais, no mínimo uma vez por semana;

• Retire a água acumulada em lajes;

• Limpe as calhas, evitado que galhos ou outros objetos não permitam o escoamento adequado da água;

• Dê descarga, no mínimo uma vez por semana, em vasos sanitários pouco usados e mantenha a tampa sempre fechada;

• Evite acumular entulho, pois podem se tornar criadouros do mosquito.

Assuntos: Saúde
Envie seu comentário sobre esta notícia
Seu nome
Seu telefone
Seu bairro
Sua cidade
Escreva sua mensagem pressione shift + enter para adicionar linha
Todos os campos são obrigatórios
Recomendados