LEVANTAMENTO
Inadimplência das empresas tem alta de 9,01% em novembro, apontam CNDL/SPC Brasil
Alta foi puxada pela região Sudeste, com variação de 16,76%. Setor de serviços lidera avanço no número de companhias negativadas
por Assessoria de Imprensa SPC Brasil / CNDL 28/12/2018 às 10:48 Atualizado em 30/12/2018 às 13:54

O cenário econômico continua afetando o resultado das empresas, que seguem com elevado índice de inadimplência. Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostram que o volume de empresas com o CNPJ inscrito nos cadastros de devedores cresceu 9,01% em novembro deste ano na comparação com o mesmo período de 2017, quando houve um avanço de 3,71%. Já em relação ao mês de outubro, o aumento foi de 2,17%.

A alta foi puxada, principalmente, pela região Sudeste, com crescimento de 16,76%. A região Sul, que teve a segunda maior variação, registrou um aumento de 4,00%. Em terceiro lugar, aparece o Nordeste, com 2,22%. Na sequência vem Centro-Oeste (1,84%) e Norte (0,49%).

Quanto ao número de empresas negativadas por setor, serviços foi o ramo em que a inadimplência mais cresceu em novembro de 2018, na comparação com o mesmo mês do ano passado, com um avanço de 13,20%. Este setor engloba os bancos e as financeiras. Agricultura vem logo em seguida, com 11,68%; enquanto comércio teve 6,33% e indústria 5,32%. Em termos de participação, a maior parte das empresas negativadas atua no comércio (39,97%), seguida dos setores de serviços (39,97%) e indústria (9,21%).

Na avaliação do presidente da CNDL, José Cesar da Costa, o alto número de empresas negativadas ainda reflete os efeitos da crise. “Mas já há sinais de retomada da economia e da confiança dos empresários para o próximo ano. Acredita-se que, à medida que os negócios se recuperem, a capacidade de pagamento das empresas em dificuldade deva melhorar”, explica.

Volume de dividas cresce 6,84% no último mês; 70% das pendências são devidas ao setor de serviços, que engloba instituições financeiras

O volume de dívidas em atraso no nome de pessoas jurídicas também acelerou em novembro, com alta de 6,84% na comparação com o mesmo mês do ano passado. A maior parte das dívidas tem como credor o setor de serviços (70,10%). Em seguida, aparecem as dívidas que têm como credores os ramos de Comércio (16,80%) e Indústria (12,24%). Na média, cada empresa inadimplente possui duas dividas registradas no banco de devedores.

Já o cenário da recuperação de crédito revela que o número de empresas que conseguiram sair da base de devedores cresceu 10,44% no acumulado de 12 meses. O aumento de inadimplentes, no entanto, mostra que as novas inclusões superaram as saídas de CNPJs.

“Dados mais recentes mostram uma recuperação gradual do faturamento de empresas de alguns setores da economia, embora os resultados continuem aquém dos níveis observados antes da crise.  A expectativa é de que nos próximos meses se observe uma mudança positiva nesse quadro de inadimplência das empresas”, comenta o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.

Metodologia

O Indicador de Inadimplência das Empresas sumariza todas as informações disponíveis nas bases de dados da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito). As informações disponíveis referem-se a capitais e interior das 27 unidades da federação. 

Assuntos: Economia
Envie seu comentário sobre esta notícia
Seu nome
Seu telefone
Seu bairro
Sua cidade
Escreva sua mensagem pressione shift + enter para adicionar linha
Todos os campos são obrigatórios
Recomendados