Ação trabalhista
Luciano contesta acusação do MPT-SC que pede R$ 100mi
A ação por dano moral coletivo pede uma indenização no valor de R$ 100 milhões por, supostamente, o empresário ter intimidado seus colaboradores a votarem no presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL)
por Redação 30/11/2018 às 09:31 Atualizado em 30/11/2018 às 09:34

Luciano Hang, proprietário da Havan, durante uma live em redes sociais nesta quinta-feira, dia 29, contestou a denúncia feita contra ele através do Ministério Público do Trabalho de Santa Catarina (MPT-SC). 

A ação por dano moral coletivo pede uma indenização no valor de R$ 100 milhões por, supostamente, o empresário ter intimidado seus colaboradores a votarem no presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). De acordo com Hang, são R$ 5 mil por colaborador e R$ 25 milhões por danos morais. 

Durante a live, muitas perguntas foram feitas ao empresário. Uma delas foi se, por acaso, a empresa for obrigada a pagar os R$ 100 milhões, de que forma será afetada. Hang explicou que a multa de R$ 100 milhões representa menos 5 novas lojas e 1.500 menos empregos. 

“Esse não é o Brasil que queremos. Queremos um País que investe no desenvolvimento, em empresas que geram empregos. Afirmo aqui que durante as eleições promovi atos cívicos incentivando as pessoas a votarem  em quem quer o crescimento do Brasil. Mas, jamais obriguei meus colaboradores a votarem no meu candidato. Até porque o voto é secreto. E, mesmo assim, só em Brusque, 86% dos eleitores votaram no Bolsonaro.”

Envie seu comentário sobre esta notícia
Seu nome
Seu telefone
Seu bairro
Sua cidade
Escreva sua mensagem pressione shift + enter para adicionar linha
Todos os campos são obrigatórios
Recomendados