PROPOSTA
Sindicatos de Brusque estudam ter posto de combustível próprio
por Assessoria de Imprensa Dekavision 14/05/2019 às 12:18 Atualizado em 14/05/2019 às 14:33

Os sindicatos de trabalhadores de Brusque cogitam ter o próprio posto de combustíveis para fornecer a preço reduzido ou de custo aos associados. A ideia surgiu durante reunião ordinária do Fórum de Entidades Sindicais de Trabalhadores de Brusque e região, realizada na tarde de segunda-feira, 13, na sede do Sintrivest. Segundo os sindicalistas, o elevado preço dos combustíveis na cidade, principalmente a gasolina, em comparação a outros municípios da região, requer ação imediata para auxiliar os mais de 40 mil associados aos doze sindicatos que integram o órgão.

A situação foi levantada no encontro pelo presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Brusque (Sinseb), Orlando Soares Filho, que também é secretário do Fórum na atual gestão. Ele relatou casos em que verificou a disparidade no preço da gasolina entre Brusque e Itajaí, por exemplo. “É em todas as categorias, mas na minha, em especial, a dos servidores públicos, os trabalhadores utilizam e precisam de veículos para chegar a seus postos de trabalho. E R$ 0,30 a mais em relação a postos de outras cidade sé um crime e pesa no salário. Trouxe esse tema para o Fórum Sindical”, destaca ele.

Na reunião, os membros do Fórum discutiram desde a elaboração de estuado para ver a possibilidade de se ter um posto a fornecer combustível aos associados – considerando os dependentes, o número de pessoas atendias passa de 50 mil -, até denúncia junto aos órgãos fiscalizadores, como Procon e Ministério Público, sobre a suspeita de formação de cartel.

O coordenador do Fórum, Jean Carlo Dalmolin, afirma que na atual situação que vivem os sindicatos, com grandes dificuldades de negociar itens como reajuste salarial, as entidades precisam voltar sua atenção a outros problemas que afetam o trabalhador e, dessa forma, buscar novas formas de auxiliar as categorias. Assim como já é feito há muitos anos na área de assistência em saúde.

“Enquanto que na região, Itajaí e Blumenau, o preço da gasolina custa na faixa de R$ 4,00, aqui em Brusque é praticado de R$ 4,39 a R$ 4,60. Deve existir alguma coisa de errado nisso”, pontua ele sobre a situação.

Ideia é semelhante à adotada na abertura de farmácia

Na década de 1990, vários sindicatos de trabalhadores de Brusque se uniram para abrir um estabelecimento farmacêutico e vender medicamentos a preço de custo ou reduzido para associados. Assim nasceu a Farmácia do Trabalhador, em atividade até os dias de hoje.

O estabelecimento fica localizado no Centro de Brusque e possui filial na cidade de Guabiruba. Nela, os associados aos sindicatos mantenedores podem comprar medicamentos e outros produtos a preços reduzidos.  O valor fica até 50% mais barato que nos demais estabelecimentos.

“A Farmácia do Trabalhador cumpriu um importante papel social”, afirma Jorge Luiz Putsch, secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos (Sintimmmeb), uma das entidades mantenedoras da farmácia.

Assuntos: Economia
Envie seu comentário sobre esta notícia
Seu nome
Seu telefone
Seu bairro
Sua cidade
Escreva sua mensagem pressione shift + enter para adicionar linha
Todos os campos são obrigatórios
Recomendados